Ações de Destaque

A influência do Terceiro Setor no aquecimento da economia PDF Imprimir
Artigos - Economia e Terceiro Setor
Escrito por Sérgio Santos   
Sáb, 09 de Abril de 2005 00:00

Seguindo os passos de alguns países desenvolvidos - como os EUA, França, Alemanha, Japão, Reino Unido, entre outros - o Terceiro Setor vem se desenvolvendo no Brasil, tornando-se um importante setor no desenvolvimento econômico e social do país. A importância econômica apontada ao Terceiro Setor é devido ao seu potencial, em expansão, de criação de novos empregos. Alguns estudos, como o realizado por Salomon e Anheier sobre o Terceiro Setor para The John Hopkins Comparative Sector Project Studies[1], demonstram empiricamente a importância, cada vez maior, deste setor na economia de um país.

 

Segundo a pesquisa, o setor sem fins lucrativos emprega 11.7 milhões de pessoas em tempo integral em sete países que se dispõem de dados estatísticos (EUA, França, Inglaterra, Alemanha, Itália, Hungria e Japão). Isto equivale a um em cada oito empregos do setor de serviços destes países. Além disso, verificou-se que este setor tem se expandido nos últimos anos chegando a gerar - nos países acima citados – quase 13% dos novos empregos durante o período de 1980-1990. (Salomon & Anheier, 1994).

 

Os gastos operacionais do conjunto dos organismos pertencentes ao Terceiro Setor na França, Alemanha e EUA equivalem a quase 5% do Produto Interno Bruto (PIB) destes países, ou o equivalente a mais de US$ 600 bilhões em 1990. (Salomon & Anheier, 1994). Segundo esses autores, nos Estados Unidos calcula-se que este setor movimente uma quantia superior a US$300 bilhões por ano em financiamentos. As principais fontes de financiamento das organizações nos Estados Unidos, Hungria, França, Inglaterra, Alemanha, Itália e Japão são, na média, a prestação de serviços (47%), o setor público (43%) e as doações privadas (10%).

 

Outros dados, retirados do The John Hopkins Comparative Nonprofit Sector Project, servem para ilustrar a capacidade de mobilização de recursos humanos e materiais pelo Terceiro Setor nos principais países do mundo contemporâneo (Cadernos do Comunidade Solidária, 1998):

 

· Nos Estados Unidos, cidadãos doaram em 1991 cerca de US$70 bilhões para organizações e movimentos sem fins lucrativos. Medido em termos monetários, o valor anual do trabalho voluntário seria da ordem de US$176 bilhões.

· Na Alemanha e no Japão, 40% dos dias de internação hospitalar se dão em hospitais sem fins lucrativos.

· No Japão, mais de 75% de todos os estudantes universitários frequentam instituições sem fins lucrativos.

· Apesar de que o Terceiro Setor tenha a metade do tamanho do governo em termos de emprego e volume de recursos, nos anos recentes tem crescido duas vezes mais rápido do que os setores governamental e privado no que diz respeito a geração de novos postos de trabalho.

 

No Brasil, os dados estatísticos sobre o Terceiro Setor ainda são pouco pesquisados e conhecidos. Estima-se que o Terceiro Setor tenha entre 1,4 e 2 milhões de empregados (formais e informais). Estima-se ainda que, considerando a existência de 1,4 milhão de empregados recebendo em média 4,5 salários mínimos por mês, chegaria-se a um volume total de 1% do PIB brasileiro. (Cadernos do Comunidade Solidária, 1998).

 

São por dados estatísticos como esses apresentados acima, que os autores Salomon & Anheier afirmam que:

 

“Whatever its social, moral or political importance, the nonprofit sector is also important in purely economic terms. As such, it deserves far more attention than it has so far been able to attract”. (Salomon & Anheier, 1994; p. 23).

 

 

BIBILIOGRAFIA:

Cadernos Comunidade Solidária. "Marco Legal do Terceiro Setor"; vol. 05; Brasília -DF, Janeiro 1998;.

SALOMON, Lester M. e ANHEIER, Helmut K.. The Emerging Sector: An Overview. Baltimore, USA, 1994.

 

 

[1] A pesquisa foi realizada em doze países (EUA, Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Hungria, Japão, Brasil, Ghana, Egito, Tailândia e Índia) em 1990.